IQSC: Laboratório de pesquisa completa 20 anos

O Laboratório de Análise Térmica, Eletroanalítica e Química de Soluções (LATEQS) do Instituto de Química de São Carlos (IQSC) da USP comemora 20 anos de atividades.

Foi criado em 1998 junto ao Departamento de Química da Universidade Federal de São Carlos, sob liderança do professor doutor Éder Tadeu

Prof. Dr. Éder Cavalheiro, do LATEQS-IQSC/USP. Foto: Divulgação

Gomes Cavalheiro e está cadastrado no Sistema Lattes/CNPq desde sua criação. A partir de 2002, com a transferência do líder do grupo para o IQSC/USP, juntamente com a equipe e os principais equipamentos, as atividades de ensino e pesquisa passaram a ser desenvolvidas na nova Instituição.

No IQSC as atividades foram desenvolvidas no edifício Q1, compartilhando espaço físico com o Grupo de Química Analítica e Tecnologia de Polímeros (GQATP), este sob a liderança do professor doutor Gilberto Orivaldo Chierice.

Desde sua fundação, o LATEQS vem se dedicando ao estudo do comportamento térmico de complexos metálicos, fármacos e biopolímeros; desenvolvimento de novos materiais de eletrodo para determinação de moléculas de interesse biológico, farmacêutico e ambiental e desenvolvendo contribuições ao ensino de química.

Desde de 2016 o professor doutor Rafael Martos Buoro passou a integrar o grupo, que conta também com a colaboração das doutoras Ana Paula Garcia Ferreira e Priscila Cervini.

Como resultado dessas atividades foram produzidos 195 trabalhos publicados em periódicos, cerca de 500 comunicações em congressos e eventos científicos nacionais e internacionais, 1 livro, 4 capítulos de livros e 2 patentes foram depositadas. Em relação à formação de recursos humanos o grupo formou 10 pós-doutores, 20 doutores, 30 mestres e 35 alunos de iniciação científica. Na captação de recursos destacam-se investimentos de diversas fontes, que somam cerca de USD 1.100.000,00 em equipamentos, instalações, insumos e demais alíneas de financiamento.

Como contribuição à pesquisa e à comunidade de termoanalistas no Brasil, foram criados no LATEQS o Simpósio de Análise Térmica (2003, hoje está na nona edição) e a revista científica Brazilian Journal of Thermal Analysis (lançada em 2012).

Participantes do I Encontro de Usuários de Técnicas Termoanalítica (EnUTT), organizado e realizado no IQSC-USP, em 2003. Em 2015 o evento passou a se chamar Simpósio de Análise Térmica (SiAT). Foto: Sandra Zambon (IQSC)

É importante ressaltar o apoio Institucional do DQ/UFSCar e do IQSC/USP, nesta trajetória, agradecendo a todos os integrantes dessas instituições pela colaboração e incentivo nessa caminhada.

Trata-se também de uma oportunidade para saudar a todos que integram e integraram o grupo e agradecer pela colaboração nessa construção coletiva dos nossos trabalhos, realizada por todos que colaboraram a seu tempo e a seu modo. Creio que foi uma jornada positiva, com efetivo sucesso, a qual só se tornou possível pela contribuição de cada um e pelos nossos esforços unificados.

Fotos: acervo pessoal

Integrantes do LATEQS ao longo destes 20 anos:

Prof. Dr. Éder Tadeu Gomes Cavalheiro
Prof. Dr. Gilberto Orivaldo Chierice
Prof. Dr. Rafael Martos Buoro
Abigail Vasconcelos Pereira
Aline Carlos de Oliveira
Aline Segnini
Amanda Alves Esteves
Ana Paula Garcia Ferreira
Anderson Pacanhela
André Luis Castro de Sales
Andréa Boudarini Couto
Andressa de Carvalho Freitas
Antonio José Reimer
Antônio Onias Mesquita Véras
Antônio Rogério Fiorucci
Bárbara Vieira
Beatriz Ambrozini
Caio Ribeiro Barros
Carlos Henrique de Camargo Kruk
Carolina Maria Fioramonti Calixto
Caroline Bevilacqua Micalli
Caroline de Oliveira Xavier
Cláudia Bernal
Daniele Miolo dos Santos
Deyber Arley Vargas Medina
Diego Borba dos Santos
Douglas Franco de Souza
Dulce Raquel Pereira Oliveira Pinheiro
Elder Polo Zuza
Eliene Leandro de Araújo
Fabiano Okumura
Felipe Silva Semaan
Fellipy Ferreira
Fernando Campanhã Vicentini
Fernando de Moraes
Gabriela Bueno Denari
Giacomo Zanotto-Neto
Gilbert Banach
Gisele Guimarães Santos
Glauco Ferreira Leal
Glimaldo Marino
Hellen Franciane Barbosa
Isabel Cristina Rigoli
Isabela Alteia Matiolli
Ivana Cesarino
Jany Hellen F. de Jesus
João da Paixão Soares
Jonathan Rodrigues da Silva
José Augusto Fragale Baio
José Eduardo dos Santos Clarindo
José Estrela dos Santos
Júnia Graziela Pereira
Laís Calixto dos Santos
Leila Doracio Mendes
Leonardo Rodrigues de Paula
Letícia Ferreira Lacerda
Lídia Akemi Akamine
Lucas Vinicius Leite Martoni
Luciana Simionato Guinesi
Lucinéia Cristina de Carvalho
Luis Antônio Ramos
Luis Carlos Murrelli Machado
Marcelle Beltrão Bedouch
Márcio Fernando Bergamini
Marco Antônio Horn Júnior
Marcos Fernando de Souza Teixeira
Mariá Del Bianco Luppi
Mariane Armagne Ciciliati
Marina Baccarin
Marli Alvis dos Santos
Márlon Herbert Flora Barbosa Soares
Michele Souza
Milena Pinotti Segato
Mônia Aparecida Lemos Pinto
Mônica de Souza Cortes
Paulo Alberto Nogueira
Pedro Henrique Oliveira Amorim
Priscila Cervini
Rafael Fonseca Pereira
Renata Cristina Gallo
Renata Kelly Mendes
Ricardo dos Santos Medeiros
Rita de Cássia da Silva
Roberta Maura Calefi
Roberta Moraes
Rogério Adelino de Souza
Ronaldo Spezia Nunes
Rosa Lúcia Simêncio
Salvador Claro Neto
Sidney Xavier dos Santos
Suysia Ramos D’Almeida
Tácia Sagioratto Lopes
Thalita Pereira Melo
Thalita Rocha Saciloto
Willy Glen Santos

Descrição sucinta das linhas de pesquisa desenvolvidas pelo LATEQS

Análise térmica de complexos metálicos, fármacos e biopolímeros
Esta linha envolve as técnicas termogravimetria (TG) e a calorimetria exploratória diferencial (DSC).
Neste trabalho têm sido desenvolvidos estudos do comportamento térmico de ditiocarbamatos derivados de aminas cíclicas e metais de transição, bases de Schiff, polímeros, quitosanas, fármacos da classe de anti-hipertensivos, antidepressivos, antibióticos, aditivos alimentares realçadores de sabor e edulcorantes, entre outras substâncias. Esses estudos são desenvolvidos visando acompanhar a estabilidade térmica, mecanismos e cinética de decomposição dos complexos e caracterização de resíduos e intermediários, com o propósito de estabelecer mecanismos de decomposição e descrever o comportamento térmico desses analitos desde temperatura sub-ambiente até a sua degradação.
Na área de fármacos têm sido desenvolvidos estudos da sua estabilidade térmica, determinação por técnicas quimiométricas associadas aos resultados de TG e pureza por DSC, além da preparação e caracterização de formas polimórficas de interesse na indústria farmacêutica.
Alguns estudos envolvendo biopolímeros, como o ácido algínico e seus derivados, assim como quitosanas modificadas com bases de Schiff para eventual uso como modificadores de eletrodo e materiais para absorção de metais do meio ambiente também têm sido desenvolvidos. Esses materiais têm despertado grande interesse das pesquisas sobre liberação controlada de fármacos e outras aplicações envolvendo sua atividade biológica.

Desenvolvimento de eletrodos para determinação de moléculas de interesse biológico
Estão sendo desenvolvidos estudos de preparação e aplicação de eletrodos com dimensões convencionais e ultramicroeletrodos para determinação de fármacos, purinas e aminoácidos.
Os ultramicroeletrodos de fibra de carbono têm sido desenvolvidos e aplicados utilizando-se suas vantagens, como aplicação em técnicas voltamétricas de varredura rápida, difusão esférica entre outras, o que permite obter sensores com alta sensibilidade, após tratamento eletroquímico de superfície.
Compósitos à base de pastas de carbono têm sido modificados e aplicados na determinação de fármacos, contribuindo para o desenvolvimento de métodos alternativos rápidos e de baixo custo para determinação de princípios ativos em formulações farmacêuticas, o que apresenta interesse face aos medicamentos ditos genéricos, que carecem de controle.
As modificações destas pastas envolvem o uso de complexos de bases de Schiff e ditiocarbamatos, também utilizados nos estudos termoanalíticos.
Compósitos à base de pastas de carbono e eletrodos compósitos sólidos a base de grafite e polímeros vem sendo desenvolvidos e aplicados na determinação de analitos de interesse biológico, farmacológico e ambiental.

Contribuições ao ensino de química
Algumas contribuições ao ensino de química também têm sido desenvolvidas usando extratos brutos de flores em aplicações analíticas e demonstrações, todas com caráter didático.
No ensino médio tem sido proposto o uso dos extratos na demonstração da mudança de cor em função do pH, o que permite construir escalas de cores e classificar produtos de uso cotidiano dos alunos, de acordo com os Parâmetros Curriculares Nacionais, os PCN, recomendados pelo MEC.
Também estão sendo desenvolvidos jogos didáticos relacionados ao conteúdo, os quais contribuem sobremaneira no aspecto disciplinar facilitando o trabalho do professor em sala de aula.
Em nível superior os corantes naturais têm sido usados para ensino de princípios de métodos óticos de análise, como indicadores em titulações ácido-base, na detecção por análise em fluxo, entre outros.

Trabalhos tecnológicos
Várias empresas têm nos procurado para uso de equipamentos, principalmente os termoanalíticos. Nesses trabalhos merece destaque o projeto Petrobrás-IQSC/USP, visando desenvolvimento de novas tecnologias termoanalíticas para caracterização e controle de qualidade de combustíveis.

Assista ao vídeo do grupo: https://www.youtube.com/watch?v=xWBeHl8chzs
Contato: cavalheiro@iqsc.usp.br

Por Éder Tadeu Gomes Cavalheiro (LATEQS)

Notícia cadastrada por Sandra Aparecida Zambon da Silva
O conteúdo da notícia é de inteira responsabilidade do autor.